segunda-feira, 4 de outubro de 2010

GANHEI CORAGEM

Recebi o texto abaixo por e-mail. Concordo com quase tudo que Rubem Alves expoe aqui. Por isso compartilho com os leitores deste modesto blog. Faça seus comentários!
Ganhei Coragem
Rubem Alves / Colunista da Folha de S. Paulo
"Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece", observou Nietzsche.
É o meu caso. Muitos pensamentos meus, eu guardei em segredo. Por medo.
Albert Camus, leitor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora em que a coragem chega: "Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos". Tardiamente. Na velhice. Como estou velho, ganhei coragem.
Vou dizer aquilo sobre o que me calei: "O povo unido jamais será vencido", é disso que eu tenho medo.
Em tempos passados, invocava-se o nome de Deus como fundamento da ordem política. Mas Deus foi exilado e o "povo" tomou o seu lugar: a democracia é o governo do povo. Não sei se foi bom negócio; o fato é que a vontade do povo, além de não ser confiável, é de uma imensa mediocridade. Basta ver os programas de TV que o povo prefere.
A Teologia da Libertação sacralizou o povo como instrumento de libertação histórica. Nada mais distante dos textos bíblicos. Na Bíblia, o povo e Deus andam sempre em direções opostas. Bastou que Moisés, líder, se distraísse na montanha para que o povo, na planície, se entregasse à adoração de um bezerro de ouro. Voltando das alturas, Moisés ficou tão furioso que quebrou as tábuas com os Dez Mandamentos.
E a história do profeta Oséias, homem apaixonado! Seu coração se derretia ao contemplar o rosto da mulher que amava! Mas ela tinha outras idéias. Amava a prostituição. Pulava de amante a amante enquanto o amor de Oséias pulava de perdão a perdão. Até que ela o abandonou. Passado muito tempo, Oséias perambulava solitário pelo mercado de escravos. E o que foi que viu? Viu a sua amada sendo vendida como escrava. Oséias não teve dúvidas. Comprou-a e disse: "Agora você será minha para sempre." Pois o profeta transformou a sua desdita amorosa numa parábola do amor de Deus.
Deus era o amante apaixonado. O povo era a prostituta. Ele amava a prostituta, mas sabia que ela não era confiável. O povo preferia os falsos profetas aos verdadeiros, porque os falsos profetas lhe contavam mentiras. As mentiras são doces; a verdade é amarga. Os políticos romanos sabiam que o povo se enrola com pão e circo. No tempo dos romanos, o circo eram os cristãos sendo devorados pelos leões. E como o povo gostava de ver o sangue e ouvir os gritos!
As coisas mudaram. Os cristãos, de comida para os leões, se transformaram em donos do circo. O circo cristão era diferente: judeus, bruxas e hereges sendo queimados em praças públicas. As praças ficavam apinhadas com o povo em festa, se alegrando com o cheiro de churrasco e os gritos.
Reinhold Niebuhr, teólogo moral protestante, no seu livro "O Homem Moral e a Sociedade Imoral" observa que os indivíduos, isolados, têm consciência. São seres morais. Sentem-se "responsáveis" por aquilo que fazem. Mas quando passam a pertencer a um grupo, a razão é silenciada pelas emoções coletivas. Indivíduos que, isoladamente, são incapazes de fazer mal a uma borboleta, se incorporados a um grupo tornam-se capazes dos atos mais cruéis. Participam de linchamentos, são capazes de pôr fogo num índio adormecido e de jogar uma bomba no meio da torcida do time rival.
Indivíduos são seres morais. Mas o povo não é moral. O povo é uma prostituta que se vende a preço baixo.
Seria maravilhoso se o povo agisse de forma racional, segundo a verdade e segundo os interesses da coletividade. É sobre esse pressuposto que se constrói a democracia. Mas uma das características do povo é a facilidade com que ele é enganado. O povo é movido pelo poder das imagens e não pelo poder da razão.
Quem decide as eleições e a democracia são os produtores de imagens. Os votos, nas eleições, dizem quem é o artista que produz as imagens mais sedutoras.
O povo não pensa. Somente os indivíduos pensam. Mas o povo detesta os indivíduos que se recusam a ser assimilados à coletividade.
Nem Freud, nem Nietzsche e nem Jesus Cristo confiavam no povo. Jesus foi crucificado pelo voto popular, que elegeu Barrabás. Durante a revolução cultural, na China de Mao-Tse-Tung, o povo queimava violinos em nome da verdade proletária. Não sei que outras coisas o povo é capaz de queimar. O nazismo era um movimento popular. O povo alemão amava o Führer.
O povo, unido, jamais será vencido! Tenho vários gostos que não são populares. Alguns já me acusaram de gostos aristocráticos. Mas, que posso fazer? Gosto de Bach, de Brahms, de Fernando Pessoa, de Nietzsche, de Saramago, de silêncio; não gosto de churrasco, não gosto de rock, não gosto de música sertaneja, não gosto de futebol.
Tenho medo de que, num eventual triunfo do gosto do povo, eu venha a ser obrigado a queimar os meus gostos e a engolir sapos e a brincar de "boca-de-forno", à semelhança do que aconteceu na China.
De vez em quando, raramente, o povo fica bonito. Mas, para que esse acontecimento raro aconteça, é preciso que um poeta entoe uma canção e o povo escute:
- "Caminhando e cantando e seguindo a canção..."
Isso é tarefa para os artistas e educadores. O povo que amo não é uma realidade, é uma esperança.

Rubem Alves

14 comentários:

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamado pr. Sergio Pereira,

A paz do Senhor!

Interessante escolha esta sua matéria por Rubens Alves.

A experiência de vida com experiência, proporciona um senso de avaliação que por vezes a idade não permite tê-la vivenciado com presteza. Em alguns casos sim, em outros não.

Este não é o caso de muitos, que possuem a coragem em demonstrar suas definições de vida e explicá-las através de um momento de regurgitação mental na certeza de sua contribuição a prole brasileira, em alguns casos, como pesquisadora e desejosa em conseguir constantes orientações, para que na multidão de conselhos se encontre sabedoria.

Para o bem da verdade, podemos afirmar que o Senhor nosso Deus, não está de maneira nenhuma preocupado com quem será eleito presidente do Brasil. Ele possue o controle de tudo e de todos: candidatos e eleitores.

Ele na sua onisciência já possui todos os números que decidirão a sorte de quem será o primeiro, segundo, terceiro e quarto colocado para não dizer o último. E muito mais, no segundo turno! Afinal, quem se lembra do momento da ceia onde Ele, Jesus Cristo, anunciou que um deles seria o traidor? Ele sabe de tudo e está, neste momento, verificando à parte das eleições, a vida de muitos dos seus líderes e ministros em sua caminhada na vida política, bem como, o apoio interesseiro da grande maioria. Alguém duvida? Me deixe saber!

A preocupação dos homens por muitas das vezes se choca com a preocupação de Deus.

A de Deus é pura e Santa com objetivos de justiça pelo seu amor. A do homem é interesseira e desprovida de justiça pelo seu destemor.

O Senhor seja contigo, nobre pastor!

O menor de todos.

Alberto Couto Filho disse...

Pr Sérgio,

A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.

Apreciemos os dois últimos parágrafos do comentãrio do "menor" dos menores de todos - o nosso Carpintero.

Excelente mensagem
Seu conservo e Cristo
Alberto

Pr. Sérgio disse...

Prezado Pr. Newton Carpintero, graça e paz!

Obviamente concordamos que é preciso sermos mais sensíveis às preocuapções de Deus e termos mais coragem para comunicá-las aos mortais.

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

Pr. Sérgio disse...

Prezado Alberto Couto Filho, graça e paz!

Que sejamos cheios da esperança indignada que nos capacita a rejeitarmos as coisas do jeito que estão e revestidos da esperança corajosa para mudar a situação.

Obrigado por seu carinho e comentário!

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

maybe disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

Blog do Anderson Cruz disse...

Realmente o texto de Rubens é nota dez. É uma verdade: vivemos numa sociedade manipulada e manipuladora. Uma sociedade sem Deus, que busca seus próprios interesses e se perde quando é preciso ouvir a palavra do Criador.
É preciso coragem. Coragem para sermos quem realmente somos em vez de vestirmos a capa que os outros querem que sejamos. Coragem para assumir e rir dos nossos próprios erros. Mas rir de gozo e não de cinismo. Rir porque "rir é o melhor remédio para o tédio". É preciso ser coragem para ser taxado de "ignorante" simplesmente por não concordar com a opinião da maioria. É preciso coragem para viver neste mundo ser corrompido por ele.

Belo texto. Parabéns!

Pr. Sérgio disse...

Prezado Anderson Cruz, graça e paz!

Obrigado por sua visita e comentário. Entre, fique a vontade, a casa é sua!

De fato, é preciso coragem para viver em meio a uma geração corrompida sem relatizarmos os absolutos de Deus.

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

Pr. Sérgio disse...

Prezado Maybe, graça e paz!

Grato por seu carinho e comentário. Esteja a vontade!

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

Paula Nadler disse...

Adorei seu blog!!!!!!!

Martins Regis-Servo do Senhor Jesus Cristo disse...

Esse tipo de coragem está ficando rara (ou raro, por ser tipo...) no mundo em que vivemos. Quando a linguagem do Twitter ("followers" também significa "maria-vai-com-as-outras...) de forma maliciosa por algumas propagandas políticas (não sou da "turma" do "linchamento" desmotivado...), quando alguém para para pensar no rumo que a nossa sociedade (mundial, e não somente brasileira) está tomando, fica difícil PENSAR, pois até mesmo essa atitude nos faz parecer ser diferentes da enorme maioria, que faz questão de não pensar. Hoje, por exemplo, não me sinto confortável em ir ao supermercado fazer compras, pois, toda vez que vejo bandejas de carne, margarinas e outros alimentos que são conservados em geladeiras serem abandonados nos caixas, me dá um misto de ódio, revolta e uma necessidade enorme de ser cego e de não poder raciocinar, pois os sentimentos que tenho são oriundos da capacidade de ver o absurdo, pois uma bandeja de carne está sendo cara demais para mim, e isso me deixa com raiva, que vai muito além da ira descrita na Bíblia. Como minha irmã diz, "pensar dói". Dói mesmo, pois minha cabeça fica "a mil" quando vejo este e outros abusos. Muitos já preferem fazer "vista grossa", outros, até mudaram seus hábitos e hobbies para evitar ficar entre o dever de agir e tornar-se "arbitrário" no meio de uma sociedade conivente e omissa, e, de repente, ver-se nesta mesma situação (conivente e omisso), e sentir uma culpa enorme crescendo dentro de si, como uma raiz de amargura difícil de ser extirpada. Também sou do tipo que não gosto do que muitos gostam e meus gostos provocam certa resistência até mesmo entre familiares, mas, como digo a eles, este sou eu e quero ser respeitado como sou. Na verdade, como cristão, sempre fui ridicularizado e nunca esperei a aprovação de ninguém, pois sempre tive convicção das escolhas que fiz, principalmente essa, para a Vida Eterna.

Pr. Sérgio disse...

Querida Paula, graça e paz!
Grato pelo carinhoso comentário e sua visita a esse modesto blog.

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

Pr. Sérgio disse...

Prezado Martins Regis, graça e paz!

Fiquei sensibilizado e emocionado com seu comentário. Percebi estar lendo palavras de um dos remanescentes capazes de discordar do sistema no qual estamos inseridos.

Que possamos sofrer muitas outras dores para pensar de forma honesta e positiva, e lutar para que nosso povo viva de forma melhor.

Um forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

lima disse...

A paz do Senhor Jesus Cristo.
e por se mutiplicar a iniquidade que o amor de muitos esfriaria.
Em pleno seculo 21 estamos passando por momentos de esfriamento e precisamos de um areavivamento nas nossas igrejas.Devido a falta de disernimento,a igreja esta faltando betume e piche que significa oraçao e jejun para que possamos manter a indentidade cristao e deixarmos de ser conhecidos como envangelicos mas sin como cristao povo diferente que refrete a diferença e brilha no meio de trevas.E uma das formas que satanas esta envadindo o meio cristao e de pessoas que nao saben diserni o que proven de Deus e o que nao proven nada mais e do que o unico ministerio que nao se acabara mesmo depois de sermos retirados dessa terra (morremos com letras de chamados (hinos)que viran rit nas nossas radios e o povo aceita como se focen letras e ritimos vinda de Deus mas ao contrario disso sao letras que trasen menssagen subliminares como sabor de mel a biblia diz que devemos amar nossos inimigos e essas letras queren acusar jugar ver o chamado inimigo que e nosso procimo na plateia o verdadeiro cristao nao anda em palco mas sim no altar e deseja o mesmo pro seu proximo,entre outras letras encontramos tando disso no meio cristao,ate ritimos mundanos como rock que significa desorde.E tempo de comesarmos a pregar a verdade e ajudar os segus que estao sem disernimento no nosso meio para enterder e diserni o que ven de Deus pois a trombeta breve vai soar.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Prezado Pe.Sérgio
Nunca é tarde para aplaudir a verdade. Tomei conhecimento desse maravilhoso texto (de 2002) do Rubem Alves só agora.Parece que a gente não tem muito acesso às coisas grandiosas.Coincidentemente escrevi agora em maio no "Sul 21","DEMOCRACIA DEGENERADA",na mesma linha,falando sobre a OCLOCRACIA que tomou o lugar da DEMOCRACIA.