quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A Suficiência das Escrituras

O mês de outubro é mês comemorativo entre os evangélicos. Foi em 31 de outubro de 1517, que Martinho Lutero fixou na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg suas famosas 95 teses confrontando as heresias proclamadas pela Igreja Romana. Esse dia ficou conhecido no mundo com o dia da Reforma.
Passados 494 anos os pilares daquele movimento ainda se fazem necessários em nossos dias. Em comemoração a esta data, estarei postando durante este mês alguns artigos que enfatizem os pilares desse movimento. Principiarei sobre a suficiencia das Escrituras com um texto escrito pelo Rev. Hernandes Dias Lopes.



A Suficiência das Escrituras


A Reforma do século dezesseis foi um divisor de águas na vida da igreja e também na história da humanidade. A Reforma não foi uma inovação, mas uma restauração. Não foi a abertura de um novo caminho, mas uma volta às veredas antigas. Não foi a introdução de um novo evangelho, mas uma volta ao antigo evangelho. A Reforma foi uma volta à doutrina dos apóstolos, um retorno ao Cristianismo puro e simples. As verdades enfatizadas na Reforma podem ser sintetizadas em cinco “solas”: Sola Scriptura, Sola Fide, Sola Gratia, Solu Christu e Soli Deo Gloria. Vamos destacar agora o Sola Scriptura.
Todas as igrejas cristãs creem nas Escrituras e aproximam-se dela como Palavra de Deus. Porém, nem todas têm o mesmo conceito das Escrituras. A Bíblia não apenas contém a Palavra de Deus, a Bíblia é a Palavra de Deus. A Bíblia não é uma dentre as regras de fé e prática, mas nossa única regra de fé e prática. Destacaremos, aqui, três pontos importantes para a nossa reflexão.

Em primeiro lugar, as Escrituras são inerrantes. Jesus Cristo foi enfático em dizer que as Escrituras não podem falhar. Ele disse, também, que a Palavra de Deus é a verdade. Não há erros nas Escrituras. Não há contradição nos seus registros. Seus relatos não são mitológicos. A Palavra de Deus é fiel e verdadeira e digna de inteira aceitação. Nem uma das palavras de Deus pode cair por terra. Nenhuma de suas promessas pode fracassar. Pode passar o céu e a terra, mas a Palavra de Deus não vai passar. Ela permanece para sempre. Suas profecias se cumpriram, estão se cumprindo e cumprir-se-ão à risca. Deus conhece a história antes de ela acontecer. O próprio Deus que inspirou as Escrituras é quem dirige os destinos da história.

Em segundo lugar, as Escrituras são suficientes. Nada pode ser acrescentado às Escrituras. Ainda que um anjo venha do céu e pregue outro evangelho, além do que está registrado nas Escrituras, deve ser decisivamente rejeitado. Há dois desvios perigosos com respeito às Escrituras atualmente. O primeiro deles é o liberalismo teológico. Os teólogos liberais não creem na infalibilidade nem na suficiência das Escrituras. Aproximam-se dela não com fé, mas com suspeitas; não com humildade, mas com insolência; não com submissão, mas com rebeldia. Atribuem às Escrituras muitos erros. Afirmam que ela está cheia de falhas e que seus relatos históricos estão repletos de contradição. Afirmam que seus milagres não passam de mitos. Esses paladinos do engano e arautos da incredulidade retiram das Escrituras o que está nas Escrituras, atraindo sobre si mesmos a merecida punição de seu erro. O segundo desvio é o sincretismo religioso. Há muitos crentes que olham para as Escrituras como um livro mágico, usando-a apenas como uma espécie de amuleto religioso. Não a estudam com profundidade nem a aceitam como a única regra de fé e prática. Estão sempre buscando novas revelações e correndo atrás de novos sonhos e visões para nortear-lhes os passos. Se os liberais removem das Escrituras seu conteúdo, os adeptos do sincretismo acrescentam às Escrituras suas novas visões e revelações. Desta maneira, ambas as posições são um sinal de rebeldia contra Deus e uma evidência de insolente apostasia. Não precisamos de novas revelações. Tudo que precisamos saber para a nossa salvação, santificação e serviço está contido nas Escrituras. Devemos conhecê-la, obedecê-la e proclamá-la com fidelidade e senso de urgência.

Em terceiro lugar, as Escrituras são eficientes. As Escrituras não são apenas inerrantes e suficientes, elas são também eficientes. Elas realizam todo o propósito de Deus. Elas não voltam para Deus vazia. Elas são mais preciosas do que o ouro e mais doces do que mel. Elas são não apenas inspiradas, mas também úteis para toda a correção, repreensão e ensino. É por meio delas que Deus chama seus eleitos. É por meio delas que Deus santifica seu povo. É por meio delas que Deus consola seus filhos. É por meio delas que Deus fortalece a sua igreja e a equipada para cumprir sua missão.

Rev. Hernandes Dias Lopes

9 comentários:

Marlus Tobler disse...

É tão verdade isso que lendo este artigo me lembrei de um livro que eu li já faz um tempo do Augusto Cury "O Mestres dos Mestres". Este livro fala através da palavra dEle, como Jesus conhecia o ser humano e sabia o que era necessário para ele ser feliz. Cada ensinamento dEle era em prol da minha vida como um todo. Através das Escrituras, de tudo que ali esta escrito, as palavras de jesus ao longo do novo testamento, não só torna a bíblia a verdade, mas aprova tudo o que é essencial para se ter uma vida feliz. E eu digo FELIZ, feliz mesmo. Em todas as áreas da vida. Toda a sua palavra traz saúde física e mental, posso ate colocar mental antes de física já que tudo começa em nossa mente. Por isso são "(felizes )aqueles que ouvem e praticam a palavra de Deus". Se alguém me perguntasse se existe um manual para ser feliz, eu lhe responderia: a Bíblia. Porque lá contém, A VERDADE, A VIDA. E saber disso é maravilhoso.

Abraço Pr Sérgio, a gente se fala.
Deus abençoe!

Keila Kirc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...

Excelente texto. Muito importantes as colocações do Rev. Lopes, pois é cada vez mais raro em nossos dias encontrar pessoas com essa visão das Escrituras, muito pelo contrário, cada vez mais tentam deturpar a Palavra de Deus.
Dou graças a Deus por pessoas como você Pr. Sérgio que ainda zelam pela sã doutrina em nosso meio.
Que Deus continue lhe abençoando...

Antonio Batalha disse...

Olá meu irmão, foi por acaso que encontrei seu blog, já há algum tempo fomos seguidores, mas tive de excluir meu blog, e perdi todos os amigos, agora à medida que os vou encontrando, venho também perguntar se ainda está interessado na nossa parceria.Se estiver este é o meu link: http://antoniojabatalhaverdadequeliberta.blogspot.com/ Se não, ficamos amigos na mesma.
Desejo-lhe uma boa semana e muita paz.

Pr. Sérgio disse...

Caro Marlus

Seu comentário elucida nossa postagem. Obrigado por participar.

Pr. Sérgio Pereira

Pr. Sérgio disse...

Prezado Gabriel

Deus em Cristo seja glorificado por ter-me escolhido para pregar e escrever assuntos relacionados à Sua Palavra.

Obrigado por sua participação, volte outras vezes.

Pr. Sérgio Pereira

Pr. Sérgio disse...

Querido irmão Antonio Batalha,

Fique a vontade para divulgar nosso blog. Estarei fazendo o mesmo em relação ao seu.

Forte abraço!

Pr. Sérgio Pereira

Franzinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Franzinha disse...

Contemplamos a realidade maravilhosa deste texto e a data a qual relembramos esse fato. Em contra partida lamento por a grande maioria dos Cristãos neste dias relembrarem apenas do tal dia das "bruxas". Precisamos ser a minoria diferenciada que influenciará essa nação a trazer a memória tudo aquilo que nos da esperança.
Bela apresentação Pastor.
Esteja em paz.